segunda-feira, 15 de junho de 2015

Um poema de José Craveirinha (Moçambique, 1922-2003)


Aforismo


O preconceito da ave
não é o tamanho das suas asas
nem o ramo em que poisou

Mas a beleza do seu canto
a largueza do seu voo...
o tiro que a matou.

4 comentários:

  1. Já o tinha lido ontem. Gosto muito da poesia de Craveirinha.
    Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande Poeta. E um prémio Camões bem merecido.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. E sugestivo, na sua simplicidade e concisão.

      Eliminar