sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Revivalismo Ligeiro CCXXV

Mercearias Finas 141


Ora, ontem, que almocei um saboroso bitoque com ovo a cavalo, num despretensioso e pequeno restaurante, ali para as bandas de Campolide e em boa companhia, resolvi agora falar de escassez, que é coisa que tem faltado a esta temática, aqui no Arpose, felizmente.
O tema foi-me despertado por um curiosíssimo artigo de Laura Freeman, no TLS (nº 6045), em que a articulista discreteia sobre as carências alimentares na Inglaterra, durante o tempo da II Grande Guerra, informando que, de fome ou por desnutrição, em todo o mundo, nesse período de 6 anos difíceis, morreram cerca de vinte milhões de pessoas.
A cronista, em jeito de ironia, afirma também que, nesses anos e no Reino Unido, a literatura inglesa está repleta de "romances esfomeados". Em que Evelyn Waugh, Muriel Spark, Wyndham Lewis e Graham Greene, entre outros, referem saudosamente as mesas fartas de um passado ainda recente, mas tão só re-imaginado. E em que uma refeição com umas esquálidas pernas de frango, nessa época de austeridade, era saudada como um delicioso manjar dos deuses.
O racionamento teria começado em Janeiro de 1940, na Inglaterra, e sobre produtos essenciais: manteiga, fiambre e açúcar. As sequelas da escassez, porém, prolongaram-se para além da II Grande Guerra, atingindo também a carne, em 1954. E, anteriormente, em conversa, bastava falar-se em pêssegos, azeitonas, manteiga (que fora substituída por margarina), arroz, limões e amêndoas, para os circunstantes britânicos começarem todos a salivar...
E eu que tive ontem boa comida em boa companhia, até me lembrei de Evelyn Waugh que dizia, nesse período da II Grande Guerra, não se importar com a má companhia desde que almoçasse boa comida. E senti-me um felizardo por ter tido ambas as coisas, nesse restaurante de Campolide, ontem.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Desabafo (41), ou as novas linhas de produção...


Raramente sou elegante e cordato quando, do outro lado da linha, algum desconhecido(a) me contacta, nestas acções emparvecidas da Meo (quanto a uma nova modalidade de tarifário...), da parte de uma provável esconsa clínica de saúde (alertando-me para exames profiláticos grátis...), ou de alguma empresa (para eu opinar sobre a qualidade de algum serviço que me fora prestado).
Francamente, não tenho pachorra, tempo ou paciência para estas baboseiras do marketing moderno...
Mas, depois de desligar, tomo consciência de que do outro lado estaria, provavelmente, um precário(a) de um vago Call center, mal pago e obrigado, para subsistência, a estes trabalhos indigentes que os CEO, refastelados nas suas mordomias, imaginam para seu gozo e gáudio pessoal e impingem, obrigatoriamente, aos seus servos, como tarefa repetitiva e diária.
E, se creio que nunca fui malcriado ao declinar, por telefone, estas palermas propostas, não me peçam que use, cavalheirosamente, os termos habituais das delicadezas da democracia, nestes contactos.
Ironia, ainda vá, hipocrisia, nunca!

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Pequena história (55)



Previno, desde já, que esta é uma canção romântica... E que terá interpretações mais benévolas ou delicodoces, para alguns, como são as versões de Lara Fabian ou Bocelli. Ou mais profissional e clássica, na voz de Pavarotti.
Mas eu prefiro-a na voz agreste de Lucio Dalla (1943-2012), até porque o cantor foi o seu criador inicial. Acontece que Dalla, em 1986, se hospedou, em Sorrento,  no Excelsior Vittoria Hotel. E, por mero acaso, foi-lhe dado o quarto onde Enrico Caruso (1873-1921) teria pernoitado, há mais de 60 anos. Inspirado por esse facto e em homenagem ao grande cantor de ópera, Lucio Dalla compôs a canção que, por vezes, também é intitulada: "Te voglio bene". O vídeo, que ora se apresenta, ficciona, razoavelmente, este acontecimento.

O muro das lamentações


Por entre o obituário da moda e as sequelas da entrevista, ontem, do angélico banqueiro, na SIC, se compõem as jeremíadas da agenda mediática, hoje. Um, denunciava-se pelos seus esfumadíssimos óculos negros de Sol para contraste com os seus alvos colarinhos altos, mais uns berloques de feira popular, na gravata; o outro, mais macio de face, padronizava o escuro do fato, que é a farda obrigatória dos bancários, com a brancura capilar e o azul celeste da gravata. Ah!, e tinha parkinson na voz, com que se defendia, algo incomodado e tremeliques. Por coincidência onomástica, ambos se chamavam Carlos, mas não Charlot.
Mas a grande novidade, que eu não quero deixar de anunciar, é que, pela primeira vez em Portugal,vamos ter uma greve de fome, em Belém. Para mais, feita por um reputado enfermeiro.
Deus seja louvado!

Novos caminhos da prosa?


A prosa parece querer assumir, neste século XXI, novos caminhos ou derivas de experimentação, talvez por cansaço ou esgotamento das orientações a que a ficção tinha sido conduzida. A efabulação de ficção-autobiográfica ou a prosa glosada sob o mote de outras artes, como a pintura e a fotografia, parecem assumir ou denunciar algumas dessas vias mais significativas. As viagens, sob um novo ângulo, em que se misturam história, biografia, revisitações de outros autores, diarística e ficção romanceada convocam, por exemplo, Bruce Chatwin, Claudio Magris e Paul Theroux.
Quanto à fotografia, como ponto de partida, mote ou fonte de inspiração, se ela surge esporádica, tímida e um tanto canhestra nos romances de Modiano, vem a ganhar dimensão maior nos livros de W. G. Sebald e, pelo menos, numa das obras mais recentes de Javier Marías ( Vidas Escritas, 2007).
Se neste livro, e na primeira parte, Javier Marías nos dá, por palavras e pequenos episódios, muitas vezes pitorescos, retratos instantâneos de 20 autores, na segunda parte (Artistas Perfeitos), cuja prosa é antecedida de 37 fotografias de cerca de 25 escritores, o escritor espanhol efabula livremente sobre as poses, os tiques observados nas fotos, as expressões, a indumentária usada e as conclusões a que chega a sua imaginação ou fantasia para caracterizar esses artistas. Creio que por aqui anda, ainda que discutível, uma experiência nova e singular de retratar e fazer prosa.



Para ilustrar o que disse, escolhi, dessa segunda parte de Vidas Escritas, o retrato do poeta W. B. Yeats (1865-1939), tirado por Howard Coster, em 1935, que Mariás seleccionou, fazendo-o acompanhar das considerações que lhe consagrou, neste livro. Assim:

Um poeta inegável é sem dúvida Yeats, apesar de na fotografia ter já os cabelos brancos e não ser costume associar facilmente os homens de idade com a produção de versos. Ao observar a sua expressão, vê-se um fanático ou um iluminado, alguém de carácter demasiado forte e convencido de tudo o que faz ou opina, é uma expressão de autenticidade. O cabelo desalinhado salva-o de ser velho e quase parece loiro, dota de movimento e brio toda a cara, é um indivíduo a que sobeja vigor. Mas chamam também a atenção as sobrancelhas mais escuras; e esse olhar invisível, apenas adivinhado por detrás das lentes, faz com que seja realmente com os lábios firmes que olha, como se todo ele fosse tão-só voz. (pg. 267/8)

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Schubert / Brendel

Relógios biológicos?


Sabermos, exacta e previamente, a data da nossa morte seria decerto uma tragédia prática, embora talvez pudesse ser útil para arrumarmos a nossa vida de forma conveniente. E para nos despedirmos e acertarmos contas definitivas com todos aqueles que merecessem a nossa estima e afecto. Por outro lado, essa previsão do fim iria perturbar, profundamente, a nossa forma natural de viver esses últimos dias. E introduzir um desespero e ansiedade acrescida na nossa rotina de vida.
Surpreendo-me, muitas vezes, extraordinariamente por ver a enorme herança que alguns artistas deixaram apesar da sua curta vida. Mozart, Schubert, Rimbaud, Van Gogh, são bons exemplos dessa afirmação. Portugueses, Nobre e Cesário, Soares dos Reis e Henrique Pousão, certificam de qualidade maior esse exercício notável de viver.
Como se todos eles possuíssem, íntimo, interior, um relógio biológico inconsciente que os obrigasse e apressasse a dizer ou fazer, nesses exíguos anos de vida, tudo aquilo que, de melhor, tinham para escrever, fazer ou pintar se, porventura, viessem a ter uma longa vida ou, pelo menos, de duração média e normal.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

A primeira...


...das várias frésias que se avizinham a florir, pré-anunciando a Primavera.

Bibliofilia 171


Estes trabalhos líricos encomiásticos têm, habitualmente, duvidosa qualidade poética. E, embora João Xavier de Matos (1730?-1789) fosse um estimável poeta com versos de acentos camoneanos, um tanto ou quanto fora de época, e tendo até Garrett gabado o seu estro, esta Canção não foge muito à regra referida, na primeira frase.
Editado o folheto sem data de impressão, na Oficina de António Rodrigues Galhardo (Lisboa), Inocêncio data-o de 1784.


O que faz algum sentido, pela dedicatória do poema à rainha D. Maria I (1734-1816) que nesse ano, a 17 de Dezembro, completar(i)a 50 anos. A referência a Pina Manique explica-se pela protecção que dele gozou Xavier de Matos. Assim como a teve de Cenáculo, bispo de Beja, a quem dedicou inúmeras poesias. Desta relação amistosa e mecenática, existe vasto espólio manuscrito e de impressos na BPE.
O folheto de 8 páginas, confirmadas por Inocêncio, que teria tido mais 2 finais, em branco, foi impresso em bom papel com marca de água de cavalo e as iniciais G C B.
Em muito bom estado e margens largas, o meu exemplar custou-me 12 euros, no passado ano de 2018.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Apontamento 122: Civismo


Resultado de imagem para E. Munch.Menina doente

Na esteira do manifesto anterior, aplicando-se o jargão economicista de sobrefacturação ao tratamento e “sofrimento” duplicados a que fui sujeita, não posso calar a minha indignação perante a falta de civismo dos utentes do SNS. Sejamos francos, há muito boa gente a abusar dos recursos, marimbando-se nas consequências económicas, financeiras e até humanas, do SNS, recorrendo aos Hospitais quando não é necessário.

Aliás, já há muitos anos que me dizia uma médica amiga o seguinte: “Quando precisares da urgência, a melhor hora é a das telenovelas. Ficamos às moscas. [sic]” Não me espanta, por isso, que, mesmo passados vários anos, ainda haja uma percentagem elevadíssima – de 40% - de emergências médicas não urgentes, i.e., de recurso a uma Urgência Hospitalar.

Confesso que não compreendo este gosto, para mim algo perturbador, de pensar, logo ao primeiro sinal, de se deslocar a um Hospital, já que é ambiente que não me é confortável e evito ao máximo. No entanto, já aconteceu ter tido a necessidade de utilizar este último recurso. Liguei para a Saúde 24, quando a minha ciência a capacidade de sofrimento ultrapassou o limite. Mesmo estando fora da residência habitual, encaminharam-me para o Hospital mais próximo, o Garcia de Orta de Almada. A chegada ao Hospital foi tranquilíssima. Na Recepção da Urgência já tinham todos os meus dados recolhidos no telefonema anterior e aguardei, conforme o parecer médico, pela ordem amarela atribuída, já que não vinha trucidada de nenhum membro. Posto isto, não partilho de nenhuma opinião catastrofistas quanto a este ou outro Hospital, a saber, o S. José em Lisboa.

O caso de haver, ainda, 40 % de casos – NÃO URGENTES – nos Hospitais portugueses, relaciona-se, quanto a mim, com uma enorme condescendência relativamente à falta de civismo com que muita gentinha utiliza os recursos.

Para elucidar como se processa lá fora, na Grande Alemanha, como cá por casa se conhece, conta-se, em poucas palavras, como se processa.

NÃO SE PODE IR PELO PRÓPRIO PÉ PARA UMA URGÊNCIA ! É mesmo assim, tal e qual. Ou vai, como se diz, de charola, ou pelo Serviço Saúde 24, i.e., um médico a dizer que tem de ser assistido em ambiente hospitalar.

Ora, um dia, há muitos anos, a minha mãe sofria de degenerescência de um fémur, provocando, por vezes, dores insuportáveis. Sucedeu que, ao circular numa estrada secundária, bati num buraco e o balanço do carro lhe devia ter provocado um movimento pouco saudável. Chegado ao destino, a casa. ela não conseguiu, com tantas dores, sair do carro, mesmo com a minha ajuda. Que fazer ? Fui com ela ao Hospital mais próximo. Estacionei no parque e, na Recepção, relatei o caso. Resposta: NADA. Não contactou o seu médico ? Não ligou para o 112 ? Assim não pode ser ! Só com muita insistência, lá foi um enfermeiro falar com a minha mãe, deram-lhe uma injecção contra as dores para, pouco depois, sob o efeito da mesma, poder ajudá-la a sair do carro e contactar o seu médico assistente para mais apoio.

Com efeito, o abuso por parte de prestadores e utilizadores apenas conhece, quanto a mim, uma regra clara de não complacência, quando a falta de civismo não ajuda.

Post de HMJ

Ludovico Einaudi : "Writing Poems"



Talvez um pouco monocórdico, mas assim coaduna-se melhor com a chuva que começou a cair...

Glosa (16)


Um nevoeiro branco, mas opaco, toma conta do rio na manhã dominical. O Sol é um halo pressentido que transfigura a paisagem como nalgumas telas de Sequeira. É aí que me vem à colação um poema de Fernando Echevarría (1929):

Inverno de nevoeiro.
O pulso nele faz frio
e purga-lhe o pensamento,
de repente tão antigo.
A espuma sobe por dentro
desse relógio marítimo
cuja cota conta o tempo
da língua a colher o ofício
e a música. O silêncio
sossega à beira do ritmo.
Irá nevar? Nos pinheiros
a densidão do moliço
pensa pássaros de inverno,
imóveis, pois luz e ninhos

apenumbram a penugem
da língua que toma conta
de se enrodilharem nuvens
no vulto denso da copa.

A poesia de Echevarría quase nos conta uma história. Se a quisermos ouvir (ler) com minuciosa atenção. Sinestesias discretas irradiam dos seus versos. Acompanham e mimetizam a paisagem. Pensam-na por dentro.

Do que fui lendo por aí... 25


Do jornalismo, aquilo que podemos dizer de mais óbvio é que piorou muito nos últimos anos. Assim como poderíamos afirmar o mesmo de grande parte dos seus agentes ou profissinais encartados.
O número 4 (Dezembro de 2018) da revista Electra, que tenho vindo a ler, consagra ao jornalismo, como temática principal, um bom número de páginas, com alguns interessantes artigos.
Do texto de António Guerreiro, Rezar pelo jornalismo, vou transcrever 2 excertos:

"O jornalismo editorialista, governado pelos «editocratas» (um neologismo surgido em França há alguns anos e que serviu de título a um livro colectivo), anula a função crítica do jornalismo e funciona segundo a lógica do entretenimento: promove a encenação de polémicas e debates que funcionam em circuito fechado, segundo uma tendência endogâmica, tautológica e mimética que atinge os cumes da exasperação quando há um acontecimento ou um assunto actual que polariza as atenções. Nesses momentos, impera uma lei gregária e o espaço mediático é varrido por uma onda avassaladora que cresce rapidamente, monopoliza todas as atenções, e logo desaparece."
...
"E aqui a lei da concorrência funciona sempre ao contrário: não se trata nunca de procurar caminhos novos e de proceder a novas focalizações, o que é preciso sempre é fazer o que os outros fazem ou, se possível, antecipar o que já se sabe que os outros vão fazer. Esta regra é seguida com especial rigor nas áreas culturais onde o jornalismo se acomodou à lógica das «audiências» e do «consumo cultural» que se confirmam e se alimentam a si próprios. Um círculo vicioso está assim criado, de modo a que tudo funcione para garantir que só se mostra o que já foi visto e só se produz o que já antes foi consumido."


sábado, 16 de fevereiro de 2019

Insólito


Se bem que eu tente acompanhar de perto as movimentações em torno e as visitas ao Arpose, foi por mero acaso que me dei conta, ontem, de que um poste recente ( Aditamento: ainda no rescaldo de leitura da correspondência de Camus / Casarès, de 6 de Fevereiro de 2019 ) tinha tido um número enorme e inesperado de visitantes - 643! Vindo a ocupar assim, num espaço relativamente curto de 9 dias, a décima posição no ranking das visualizações mais frequentadas no Blogue.
Não sei explicar a que se deve esta atracção tão insólita e improvável, sobretudo, pela intensidade.
Mas aqui fica registada, para que conste.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Contra a corrente



Lamento a deficiente qualidade visual e a falta de nitidez das imagens do vídeo...

Os neo-realismos


Um artigo do TLS (nº 6044) sobre a edição, em meados dos anos 40/50 do século XX, de livros destinados à classe trabalhadora inglesa (que se aglomerava sobretudo em zonas de maior incidência industrial: Sheffield, Leeds, Liverpool...), fez-me duvidar da ideia pessoal, que tinha, de que o neo-realismo (literário e cinematográfico, pelo menos) se tinha limitado e proliferado, sobretudo, nos países latinos europeus, da América latina e dos Estados Unidos depois da Depressão de 1929. Uma coisa é certa porém: este tipo de literatura, hoje, dificilmente teria leitores, mesmo que os motivos fossem actualizados. A consciência de classe, do chamado proletariado, é presentemente muito branda e, com excepção minoritária, despolitizada e ideologimente neutra ou ignorante, do ponto de vista teórico. Isto faz com que possa ser capturada, facilmente, por qualquer tipo de populismos: em França, isto tem vindo a ser notório. Mas não só.
Na Inglaterra, e segundo o artigo do TLS, o interesse por esses livros começou a diminuir a partir do momento em que as classes trabalhadoras, tradicionalmente de homens brancos, começaram a ser invadidas por minorias: mulheres, negros, emigrantes. Para o articulista do TLS, esta teria sido uma das razões principais. Tenho grandes dúvidas sobre o facto.
Pessoalmente, considero datas mais marcantes, em Inglaterra, o ano de 1984, com a greve dos mineiros e o ano de 1989, do ponto de vista europeu, com a queda do muro de Berlim. Foi a partir daí que o neo-liberalismo e o capitalismo tomaram freio nos dentes, na minha perspectiva. E o proletariado se começou a descaracterizar como classe, talvez achando possível aceder a outros patamares, em que o consumismo, as revistas róseas e as raspadinhas eram alguns dos novos ópios do povo. Mais recentemente, a vacuidade das redes sociais com os seus temas rasteiros de lana caprina e a banalização paroquial uniformizada da comunicação social, fizeram outro tanto. O menino que cai ao poço, lá longe, ou a menina que desaparece, misteriosamente, são o entretém e as novas telenovelas.
Quem os vai trocar por Steinbeck ou pela leitura de Redol?
E não será decerto Jeremy Corbyn (1949) que conseguirá encarnar num novo angry young man, ainda que actualizado. Muito menos, a senhora May poderá assumir a assombração e o fantasma descarnado de Margaret Thatcher (1925-2013).
Como diria Manuel Bandeira (1886-1968): ..."Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino." Ou então, convocar Paulo Coelho, com a ajuda das artes mágicas de Harry Potter.

Algaravias (2)


Da obra anteriormente referida, de Eduardo Brazão Gonçalves, damos hoje sequência a alguns regionalismos algarvios com palavras começadas por b.

1. Bagacinha - grainha de uva.
2. Bajôja - mal arranjada, desleixada.
3. Barbelidos - nome que se dá às bolhas em movimento, sobretudo na água do mar.
4. Barranho - homem baixo, atarracado, molengão.
5. Bolacha suína - designação jocosa para tremoço.
6. Boletreira - azinheira.
7. Boque - pequena cova no chão para o jogo do berlinde.
8. Brunhol ou bolinhol - espécie de filhó muito fofa e pouco larga.
9. Burro de chamiças - pessoa a quem se faz trabalhar muito; mouro de trabalho; burro de carga.
10. Buzaranha - ventania repentina; indivíduo vaidoso.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Comic Relief (148)


Há uma anedota portuguesa antiga, talvez menos asséptica, mas aplicada ao reumatismo masculino, em que se fala de tomates de chumbo... E a frase final da anedota é praticamente igual à da estalajadeira, do postal em imagem.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Revivalismo Ligeiro CCXXIV

Osmose 102


Tenho para mim, de forma empírica e nada científica, que a pintura abstracta começa a aparecer com o desenvolvimento da psicologia e a crescente importância da psicanálise. Até aí, a expressão figurativa permitia, seguramente, denunciar estados de espírito bem definidos. Mas que dizer de estados de alma indistintos, vagos, difíceis de se exprimirem? Porque, de algum modo, qualquer observador perante uma tela abstracta procura sinais, ainda que pouco concretos, que lhe permitam descriptar e interpretar o sentido do quadro.



Com frequência, o meu olhar se cruza, muitas vezes, com uma inapropriada caderneta de cromos, com mais de 60 anos, que amigas mais velhas me foram preenchendo com bonecos que vinham em pequenas tabletes de chocolate. Quando esse caderno de significados/caderneta estava completo as meninas Coelho (de seu apelido) ofereceram-mo, para meu gáudio e grande alegria infantil.
E, quando o meu olhar, agora, se fixa nessa antiquíssima e tosca caderneta, vem-me à memória, distintamente, a primitiva e original sensação de alegria. Que não saberei identificar melhor ou descrever em pormenor.


Tão vaga e pura como a que, às vezes, experimento perante uma pintura abstracta.
Porque as palavras também nem sempre conseguem circunscrever a alma, nem o tempo e a memória.

Citações CCCXCI


As mentiras mais cruéis são muitas vezes ditas em silêncio.


R. L. Stevenson (1850-1894), in Truth of Intercourse.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Apontamento 121 : Manifesto



[Juramento de Hipócrates, para recordar]

Olhando para as manifestações dos últimos tempos, sempre me pergunto onde toda esta gentinha andou, descansada, durante o tempo de “troicas e pafunços”. Depois, fixando bem o olhar nas figuras que aparecem nos écrans televisivos, não consigo calar a minha aversão profunda à falta de dignidade de criaturas que se dizem pertencer a profissões como médicos, professores, etc. Convenhamos, o respeito profissional não é um valor adquirido, nem se reclama, resulta, antes de mais, do cumprimento do dever inerente.

Querendo manifestar-me, hoje, em plenitude pelo SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS), confesso que há muito me incomoda aquela figura que se intitula Bastonário da Ordem dos Médicos, porque, do seu juramento profissional, pouco ou nada o cidadão comum vislumbra.

Atacando, quase diariamente o SNS, sem nenhuma proposta concreta para a solução dos problemas, pergunto para onde o senhor bastonário, sendo médico, como diz, vai enviar a grande maioria dos utentes do SNS que não têm seguros de saúde, nem outros subsistemas como a ADSE ? 

Relativamente a CUF’s, Hospitais de Luzes, etc., e sem pretender questionar, publicamente, a qualidade profissional de algumas pessoas, sucede que o “povinho” anda vislumbrado e enganado com o aspecto de “centro comercial” das ditas unidades privadas, dos profissionais, mais novos, na maioria dos casos, mas  todos formados em Universidades Públicas.

Senão vejamos. O tempo de marcação, para consultas, exames, etc., depende do seguro ou subsistema. Do SNS recebo uma carta em casa com o dia aprazado. O tempo de espera, no dia da consulta, NÃO é inferior ao de qualquer consulta em Hospitais públicos.

Numa consulta na CUF, esperei mais do que o razoável. Passou-me à frente uma pessoa que veio depois, sem mais explicação. Depois de questionar o médico pela demora, senti que não gostou do reparo e o atendimento foi mais ou menos gélido. Fiquei, para uns meses, com uns  óculos, que não me têm dado nenhuma confiança, mas que terei que usar pela quantia paga pelas lentes. Dito isto, dispenso, mesmo como beneficiária da ADSE os serviços da CUF, na parte da Oftalmologia.

Outro tanto, talvez pior pelo pagamento onoroso que sobrou para o SNS, posso testemunhar no caso de umas ecografias, cujo relatório dos serviços da CUF levantou dúvidas a uma amiga médica e à nossa, competentíssima e atentíssima, médica de família da Unidade de Saúde Familiar. O encaminhamento para o Hospital de S. José, para além de consultas de especialidade, levou à repetição das ecografias no respectivo Hospital, e confirmou, depois de várias diligências e resultados, que o “textinho” inicial do senhor Dr. médico da CUF revelava algumas “fragilidades de interpretação”. Sobrou, para mim, a chatice de repetir o mesmo exame inicial, na CUF, num prazo de 6 meses, i.e., mais dinheiro em caixa para os privados. Depois, foi no SNS que me atenderam, LIVRES de enganos de contabilidade espúria, sobrando para o Orçamento do Estado os “jeitinhos” dos privados no aparente atendimento “amigo do doente” dos Hospitais Privados.

Tenho pena de o SNS não ter a capacidade para atender o maior número de exames que os privados utilizam para captar o doente, indevidamente. O tempo de espera não compensa, e os resultados não convencem, na maior parte dos casos.

Como dizia um amigo nosso noutro dia: que nos livrem da ideologia de infantilização e envergonhada compaixão para com o doente e velhinho, fazendo dele um ser amorfo e ridículo, sem dignidade própria, como anda por aí nas ruas de Lisboa: “ o pó-pó para o vô-vô”. 


PS: Por conhecimento próprio e recente, aconselho o Senhor Bastonário a ter mais tino nos seus ataques, porque o serviço medico prestado aos doentes, designadamente, na Alemanha não é melhor, nem de maior confiança,

 Post de HMJ

Do cinema, em Guimarães


Fila J, Balcão, cadeiras 7 e 9, ou, eventualmente, 9 e 11. Ao Domingo, sessão da noite, no Teatro Jordão. Foi assim, durante alguns anos, até que me fixei em Lisboa.
Eram os nossos lugares cativos, de que íamos levantar os bilhetes, na manhã dominical, independentemente do filme que passasse. Uma espécie de ritual obrigatório, acrescido por minha sugestão, de algum outro dia semanal, quando o Teatro Jordão levava alguma película a que eu reconhecia boa qualidade.
O S. Mamede abriu muito mais tarde. A família Jordão, grande de muitos ramos, teve assim o monopólio do cinema na cidade, pelo menos, durante toda a minha juventude. Amigo chegado do Dino, do Zé, da Sofia e do Filipe Jordão, tive muitas vezes o privilégio de ser convidado para o camarote reservado do clã - sempre era outra louça...



A província tem destas coisas, nascidas do amor acendrado à terra e da curiosidade de lhe saber a história, em que se incluem estas monografias, algumas vezes, específicas, como é o caso desta  Cinema e Cinefilia em Guimarães - 1895-1957, com edição do Cineclube local (de que fui sócio durante alguns anos) e autoria de Paulo Cunha. Terão, talvez, um interesse particularmente regional, mas não deixam de ter valor cultural e de património. E serem uma memória para o futuro.
Pela obra se fica a saber que as primeiras sessões de cinema ocorreram em Guimarães, em Julho de 1897. E do papel primordial que teve Bernardino Jordão (1868-1940) na criação de condições permanentes que permitissem aos vimaranenses verem cinema.
O Teatro Jordão, tendo iniciado a sua função lúdica e cultural, em finais de 1938, cessou as suas actividades em 1994. Recuperado, será posto ao serviço da cidade, em breve, como equipamento cultural, dignificado.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Em apoio e ilustração do poste anterior



Um pequeno excerto da gravação a que me refiro, no poste anterior (Divagações 141).

Divagações 141


Escolhi, para cenário de fundo da leitura de um pequeno ensaio de Saul Bellow (1915), um vídeo-gravação do 4º Concerto para piano de Beethoven. Embora qualquer dos sentidos (olhar e audição) obrigue a uma concentrada atenção, desvio, de vez em quando, o olhar da leitura para o dirigir para a primorosa execução de Wilhelm Backhaus (1884-1969), que foi dirigido pelo maestro Karl Böhm (1894-1981), em 1967. O vídeo é excelente, quer em imagem, quer na sonoridade. A orquestra era a Sinfónica de Viena.
Fico surpreendido pela impassibilidade facial do pianista e do maestro. Apenas se nota, por vezes, uma ligeira contracção muscular na face de Backhaus, quando alguma passagem da partitura obriga a uma maior energia de execução. Menos ainda alterado, o porte e expressão do maestro Böhm.
E dou-me a pensar, por comparação, em interpretações de Alfred Brendel e Maria João Pires cujos jogos fisionómicos se expressam, variada e profundamente. Por entre o que parece ser dor, prazer, dramatismo...
Não sei o que hei-de concluir.

Gerações


Alguns frutos aguentam-se bastante tempo em árvore, sem apodrecerem ou cairem. Os citrinos, por exemplo. Mas, verdadeiramente, eu não sei quando é que os limões param de crescer e amadurecer. Quando o amarelo começa a predominar totalmente sobre o verde, da sua superfície rugosa? Em Janeiro do ano a seguir à safra? Quando os rebentos das folhas, ainda tenras, começam a brotar, novamente dos ramos?
Consoante o clima, pode acontecer que, em Fevereiro, o limoeiro esteja nupcialmente florido de brancura e beleza. Em condições adversas de tempo, a floração pode ser mais tardia, porém.
Por isso me interrogo se devo cortar os 3 últimos limões da safra de 2018, para que a nova geração de 2019 comece a dar flor e fruto, sem a concorrência paterna ou a sobrecarga de frutos anteriores - se é que isso seja fundamental...

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Para ilustração da citação (abaixo) de F. Nietzsche...



...ora, experimentem ver o vídeo, sem música... Os executantes até parecem uns tolinhos.
E, já agora, desculpem a indigência sucinta da letra, se a ouvirem.

Nietzsche e a Dança


A Dança, por que Friedrich Nietzsche (1844-1900) se interessou, despertou-lhe várias reflexões curiosas. Talvez a mais dogmática tenha sido: que se deveria considerar um dia perdido qualquer dia em que se não dançasse ao menos uma vez.
Menos assertiva e propícia a fácil consenso foi a observação judiciosa e óbvia de que "aqueles que são vistos a dançar, poderão ser considerados loucos por aquele que não consiga ouvir a música."
Sendo que esta afirmação poderá ter um conceito mais alargado de metáfora...

Uma fotografia, de vez em quando... (119)


Homem de várias aprendizagens e ofícios, o galês Angus McBean (1904-1990) dedicou-se, a partir dos anos 30, mais exclusivamente à fotografia. Mas teve também algum sucesso com a produção de cartões de boas-festas, de índole surrealizante, que tiveram boa venda comercial e divulgação.



Se as suas fotos não incorporam grande inovação ou originalidade, os seus retratos de celebridades do século XX são marcantes e, alguns deles, singulares e icónicos. Audrey Hepburn foi um dos seus modelos preferidos, tendo-a fixado em instantâneo em que a sua beleza era ainda algo incipiente (1950).


Marlene e o casal Olivier, entre muitos artistas de cinema e teatro, não escaparam à sua objectiva, nem The Beatles, já nos anos 60.