quinta-feira, 25 de junho de 2015

Nota breve sobre um Bibliófilo desaparecido


Apagou-se com a mesma discrição com que surgia no seu Alfarrabista preferido. A sua entrada denunciava, aos mais habituados, a existência de alguma biblioteca rica em obras raras, comprada recentemente, e que só era posta à venda, nas estantes, depois de A. D. lhe dar uma vista de olhos, no corredor vedado aos restantes clientes. A sua fraqueza eram os incunábulos, mas sobretudo os livros quinhentistas, de preferência portugueses.
Discretíssimo, nem mesmo nos leilões de livros a sua voz se alterava ao licitar algum lote, ou as emoções transpareciam do seu rosto fechado. Notava-se apenas uma expressão de bem-estar tranquilo, na face, sempre que o livro apetecido lhe passava para as mãos. A terceira parte da almoeda da sua riquíssima biblioteca decorreu há pouco mais de uma semana. A alegria, talvez menos discreta, da posse, perpassou decerto por outros rostos...

8 comentários:

  1. Faz sempre pena saber que uma biblioteca se desfez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a lei da Vida...E da Morte.
      Boa tarde!

      Eliminar
  2. Se A. D. é quem eu penso não era bibliófilo, era bibliómano.

    ResponderEliminar
  3. E se for a mesma pessoa, muitos dos seus livros deveriam ter sido arrolados pelo Estado.

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Por ordem:
      -Creio que tem razão...
      -Certamente que sim, mas com o "estado" que temos...
      -Gonçalves, da Liv. Ecléctica (Calçada do Combro).

      Eliminar