quinta-feira, 16 de abril de 2015

Memória (99)


Era um bicho muito estranho, com aquela carapaça espessa, um pouco rugosa e áspera, muito diferente da dos caracóis, fina e frágil, única que conhecia, até aí, naqueles meus tenros anos de infância. Depois, era um animal pouco expressivo, para não dizer inexpressivo. E parecia, na sua dureza, já ser velho ou ter milhares de anos. Foi, lá para casa, levado numa caixa de cartão, com furinhos, e lá o fomos soltar no pequeno quintal vimaranense.
Há dias, e no andar em frente, que tem um terraço grande, talvez porque por lá andam duas crianças, os pais compraram-lhes dois cágados médios. Pelo desleixo e desarrumação desse espaço ao ar livre, temo pelos bichos, porque a família me parece muito desatinada.
O meu cágado da meninice era bem tratado e até tinha direito a uma pequena ração semanal de carne, que ele despedaçava, com impaciência agressiva, entre as suas unhas fortes e a boca. num esforço titânico que me parecia pré-histórico. Hibernava também, reaparecendo pela Primavera. Apesar do bom trato, um dia, e já depois de duas tentativas, em que foi recuperado no quintal vizinho, à terceira evasão foi bem sucedido e desapareceu, para sempre, da minha infância...

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Muito obrigado, Isabel.
      Uma boa noite, também!

      Eliminar
  2. Uns amigos dos meus pais, também tinham um cágado, que fazia as minhas delícias quando os visitávamos. Depois lhe digo que eram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá pelo Norte, não era muito comum havê-los, nos quintais...

      Eliminar