terça-feira, 24 de junho de 2014

Um poema do Brasil


Infantil

O menino ia no mato
E a onça comeu ele.
Depois o caminhão passou por dentro do corpo do
menino.
E ele foi contar para a mãe.
A mãe disse: mas se a onça comeu você, como é que
o caminhão passou por dentro do seu corpo?
É que o caminhão só passou renteando meu corpo
e eu desviei depressa.
Olhe, mãe, eu só queria inventar uma poesia.
Eu não preciso de fazer razão.

Manoel de Barros (1916), in Tratado geral das grandezas do ínfimo.

6 comentários:

  1. Respostas
    1. É esta "desarrumação" que, na boa sequência de Manuel Bandeira, faz grande a poesia deste Poeta brasileiro..:-)

      Eliminar
  2. Tem razão o menino; não precisa ter razão para inventar poesia.

    É bonito.
    Boa noite :)

    ResponderEliminar