sexta-feira, 6 de junho de 2014

Retro (48)


Tirando o barco à vela, ao fundo (uma vez que o postal foi enviado para a praia da Nazaré), e o ramalhete (Rua das Flores) deste postal de 1922, torna-se dificil estabelecer um nexo de casualidade entre texto e imagem - não "dá a bota com a perdigota".
O mano Joaquim, de Arrepiado (concelho da Chamusca, distrito de Santarém), informa a sua gentil irmã Bloéte Matilde sobre uma espingarda (?) "que o homem ficou de vir cá hoje"... Talvez mistérios da primeira República, que nunca serão desvendados...

4 comentários:

  1. Tenho mais de um milhar de postais desta época. Uma tia que era colecionadora. Pedia que toda a correspondência fosse sempre, sempre, escrita em postais. Não interessa o que se escrevia. Ela queria era o dito cujo para as suas temáticas. E assim se fazia.
    Quanto ao assunto - ou melhor ao local. Sim, o Arrepiado é do concelho da Chamusca, mas vive do "Polígono de Tancos" talvez o centro maior de especialização (nesta época) de tropas. Foi, em Tancos, que se prepararam os militares que foram para a Primeira Grande Guerra. A seguir a Tancos foi Santa Margarida, que também fica relativamente perto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato pelas preciosa achegas.
      Bom fim-de-semana!

      Eliminar
  2. Por acaso tb ia dizer um pouco o que o Jad disse. Não sei se as pessoas olhavam muito para o tema do postal quando escreviam, até porque desta época são quase todos: crianças, amorosos e parabéns.

    ResponderEliminar
  3. ... são quase todos com as temáticas...

    ResponderEliminar