sábado, 26 de maio de 2018

Neruda


Quem tiver lido na juventude, ou em idade ainda propícia a arrebatamentos, não se terá esquecido, por certo, das palavras Puedo escribir los versos más tristes esta noche (que Paco Ibañez, mais tarde, veio a musicar e cantou), que iniciam o penúltimo poema do livro 20 Poemas de Amor y una canción desesperada, do poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973), que foi prémio Nobel da Literatura, em 1971. 
O tempo, o surgimento do sentido crítico e o convívio com outros poetas fará, no entanto, abrandar o entusiasmo emocional que esses versos nos despertaram. A que acresciam, também, as lendas românticas que envolveram o poeta. Como, por exemplo, o de ter sido envenenado pelos esbirros de Pinochet, quando afinal Neruda morreu em resultado de um prosaico cancro da próstata.
Creio que a melhor síntese sobre a obra do poeta foi feita, em 1939, por Juan Ramón Jiménez: Siempre tuvo a Pablo Neruda por un gran poeta, un gran mal poeta, un gran poeta de la desorganización; el poeta dotado que no acaba de comprender ni emplear sus dotes naturales.



Os críticos, e mais uma vez os anos, encarregaram-se de desmontar uma boa parte da obra do Poeta chileno nobelizado, atribuindo-lhe influências notórias de Ruben Darío, C. Sabat Ercasty e do indiano Tagore. Não se livrou até de o acusarem de ter plagiado alguns versos do argentino Jorge Enrique Ramponi, no seu poema Alturas de Macchu Picchu. E o crítico inglês C. M. Bowra chegou a escrever que cerca de metade da poesia de Neruda era "very poor stuff indeed".
O penúltimo TLS (nº 6006), pela pena de Ben Bollig, a propósito da saida de duas traduções inglesas de e sobre o poeta chileno, encarrega-se, no entanto, de pôr alguma água fria na fervura e reavaliar, com certo equilíbrio, a obra de Pablo Neruda.






9 comentários:

  1. Sim, fui uma grande entusiasta da poesia de Neruda na minha juventude.
    PARABÉNS! Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era daqueles poetas imperdíveis de juventude, para quem apreciasse poesia.
      Obrigado!
      Boa tarde.

      Eliminar
  2. Nao sendo fã de poesia, o "meu" Neruda é o do Carteiro!
    Seguindo info de blogs amigos, muitos parabéns, conte muitos.
    Bom domingo!

    ResponderEliminar
  3. Após vermos a referência em blogues que seguimos.
    Desejamos-lhe um excelente dia. Muitos Parabéns!
    Boa tarde:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paula e Rui, em conjunto, agradeço muito sensibilizado os vossos votos amigos.
      Um bom fim de tarde e um bom Domingo, cordialmente, para Ambos!

      Eliminar
    2. Virtualmente só nos apercebemos dos aniversários quando
      alguém dá os parabéns ao autor do blogue. Neste caso venho
      desejar que tenha saúde e seja feliz junto de toda a família
      e amigos. E que continue a dar-nos o prazer do que aqui trás ao
      Arpose. Desejo-lhe uma boa noite.

      Eliminar
    3. Muito obrigado pelas suas palavras.
      Da minha Mãe me veio o não dar muito importância às festas, mas é sempre agradável ter chegado até aqui...
      Votos de um bom Domingo.

      Eliminar
  4. Tenho andado um pouco afastada e acho que não lhe dei os parabéns, por isso faço-o agora. Muitos parabéns e que o dia se repita , feliz, por muitos anos:)

    Desejo-lhe um bom fim-de-semana:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo perfeitamente, e vai sempre a tempo. Muito obrigado.
      Bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar