terça-feira, 29 de setembro de 2015

Uma caneta e um provérbio (chinês)


A recolha é do livro Stylos, de que falei aqui, há dias.
Para quem não saiba francês, o ditado chinês poderá traduzir-se por: " A tinta mais pálida vale mais do que a melhor memória." E eu estou de acordo.

4 comentários:

  1. Lá isso é verdade!
    O que fica escrito, fica escrito!

    Esse livro deve ser bonito.
    Lembro-me de escrever com caneta de tinta permanente, na escola primária, mas depois nunca mais escrevi.

    Tenho uma antiga caneta de tinta permanente, que anda em casa há muito tempo, mas não sei de onde veio.

    Boa noite:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu tenho uma relação muito afectuosa com canetas. De tal maneira que, usando habitual e alternadamente 4, ainda tenho 3 por estrear, conservadas, religiosamente, nos respectivos estojos...
      Profissionalmente, quando os assuntos eram sérios ou de alguma gravidade, sempre escrevi com caneta de tinta permanente. Agora, que estou reformado, só em casa as uso.
      Uma boa noite, também, para si!

      Eliminar
  2. Eu gosto de canetas de tinta permanente; então depois de algum tempo usadas pelo próprio... Deixei de as usar porque perdi algumas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que continuarei, sempre, a usá-las..:-)

      Eliminar