sexta-feira, 7 de novembro de 2014

1 Nobel, entre mais 2 autores franceses


A leitura que fiz de "Un Pedigree" (2004), em menos de um dia, ter-se-á ressentido, porventura, de ter sido ensanduichada entre a imediatamente anterior (L'Escalier de Fer, de Simenon) e a que se tem vindo a seguir (Balanço Final, de Simone de Beauvoir). Há que dizê-lo, por uma questão de isenção e honestidade. Porque são ambos, estes dois últimos livros, de grande qualidade literária.
Em jeito de resumo ou conclusão de leitura, eu diria que esta obra de Patrick Modiano (1945) é um livro, no mínimo, desconcertante. Porque, não sendo propriamente uma autobiografia, também não é uma obra de ficção, até porque as variadas figuras que por ele perpassam, não chegam a ter consistência literária, nem suficiente espessura psicológica. Muito menos será um ensaio. Mas Modiano bem nos tinha avisado: "J'écris ces pages comme on rédige un constat ou un curriculum vitae...".
Tirando uma acrimónia ressentida subtil, mas crónica, em relação ao pai e, embora menor, em relação à mãe ("C'était une jolie fille au coeur sec."), a narrativa é bastante asséptica (fria?), quanto a sentimentos ou descrição de emoções. A multidão infinita de personagens, que a cruzam e o ritmo veloz, fazem lembrar umas "Páginas" (ou será "O mundo à minha procura"?), de Ruben A., a que faltasse um estilo marcado e uma efabulação metafórica e imaginativa.
E há uma pergunta que, uma vez lido este "Un Pedigree" (título homenageando Simenon), fica a pairar, neste leitor que eu fui: Será isto verdadeira literatura? Pese embora que a leveza é este ar fluído, breve e efémero que predomina, em muitos dos livros que se publicam, nos nossos dias...

agradecimentos a H. N., pelo empréstimo amigo.

18 comentários:

  1. Pois, estou a lê-lo já há bastante tempo, sem grande entusiasmo. Fiquei na p. 23 e interrompi. Penso que para a semana continuarei a leitura.
    As páginas que li parecem uma cronologia.
    APS, este livro nada tem a ver com os outros dois livros que li de Modiano e de que gostei. Tenho na calha uma outra leitura deste Nobel: No café da juventude perdida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois seja...
      Mas não me ficou grande vontade de reincidir neste escritor.

      Eliminar
  2. Incrível: estou a ler precisamente L'escalier de fer... Comecei ontem, acabo hoje.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Les beaux esprits se rencontrent"..:-))

      Eliminar
  3. ... o mesmo não dirá o desgraçado do Etienne Lomel......................

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haveria que pensar que, como qualquer ser humano, perante uma mesma situação, Louise poderia reincidir...

      Eliminar
    2. Aaaaarrrgh... Quase me revelou o final... Quase - afinal, cocu não empacota Cornu nem Lulu...

      Eliminar
  4. Imperdoável distração a minha, peço desculpa. Embora de final, apesar de tudo, inesperado...
    Um magnífico Simenon, sem dúvida, com grande tensão narrativa.

    ResponderEliminar
  5. Vejo este livro de Modiano como um testemunho. E, quanto a mim, ainda bem que ele o escreveu.
    Aliás, acho que, para mim, já aqui disse que a atribuição do Nobel a Modiano tem a ver com a preservação da Memória que está sempre presente em todos os seus livros (pelo menos naqueles que li).
    Miss Tolstoi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se o livro não deixa de ser um caso à parte na bibliografia de Modiano, mas, Miss Tolstoi, para mim, a obra não passa de uma "enomeração" (sequência de nomes) arrumada cronologicamente. E, por não ter substância, é que se lê rapidamente. Não a julgo integrável na categoria de literatura.

      Eliminar
    2. Se me permitem a sugestão de um livro que faz da "enomeração" uma obra-prima literária: Conversas de Manhã e de Tarde, de Naguib Mahfouz.

      Eliminar
    3. Agradeço a dica. Irei ver se lá chego.

      Eliminar
  6. Gosto bastante de Naguib Mahfouz, outro Nobel, mas nunca li o que cita.

    ResponderEliminar
  7. Recomecei hoje, numa viagem de metro, a leitura de Un Pedigree. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lê-se bem, mas quase nada fica..:-)

      Eliminar
    2. Já o Pedigree original não é tão fácil de esquecer.

      Eliminar