segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Pinacoteca Pessoal 84


Se o acantonamento de artífices da mesma profissão, na mesma rua, durante a Idade Média (e ainda hoje há, disso, vestígios) tem razões, sobretudo, administrativas, o desejo de alguns artistas, durante o século XX, de organizar grupos habitacionais com a mesma afinidade, em locais concretos, não o saberei eu explicar. Talvez a re-constituição de informais Academias de interesses comuns, que promovessem o diálogo teórico de ideias e o progresso das próprias artes, em execução. Na Inglaterra, embora de duração breve, há vários exemplos destes grupos, como por exemplo a comunidade, chamada Rananim, no País de Gales, constituída pelos escritores D. H. Lawrence e mulher (Frieda Lawrence), Katherine Mansfield e John Middleton Murray, e que foi criada no ano de 1916.
Embora mais tardia, por volta de 1936, foi criada no Essex (Eastbourne), uma comunidade de pintores, por iniciativa de Peggy Angus (1904-1993), que viria a juntar, também, Eric Ravilous - de quem já falámos aqui, no Blogue - e John Piper. Personalidade carismática e interventiva, há mesmo quem a tenha qualificado de exibicionista, Margaret MacGregor Angus, que usou o nome artístico de Peggy Angus, dinamizou essa comunidade, de forma muito significativa. Professora, gráfica, pintora e designer, tem uma vasta obra que fala por si. Foi a muralista que decorou inicialmente o aeroporto de Londres (chamado, mais tarde, de Heathrow), bem como projectou a decoração do pavilhão inglês na Expo de Bruxelas, em 1958. Porque também se interessou pelo azulejo.
Em imagem um auto-retrato de Peggy Angus, bem como o retrato que fez do seu amigo e também pintor, John Piper.

2 comentários:

  1. Gostei imenso destes retratos.
    Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também os achei simples (?), mas muito interessantes.
      Bom dia!

      Eliminar