quinta-feira, 24 de março de 2016

Curiosidades 54


Uma das teses do livro "The Global Transformation of Time", de Vanessa Ogle, segundo a recensão do TLS (nº 5893), é que a importância do tempo sofreu uma aceleração crucial a partir do capitalismo. Se o tempo passava, começou a gastar-se e a medir-se, meticulosamente, para a execução de tarefas e produção.
Nos anos 60, do século passado, o historiador britânico Edward P. Thompson (1924-1993) fez um trabalho quase antropológico sobre a medição do tempo em comunidades algo primitivas ainda ou isoladas da vida social de todos os dias. Constatou assim que, em Madagáscar, nalgumas povoações rurais usavam, como comparação, para medir o tempo quer "o espaço que demora a cozer o arroz" quer o "tempo de assar um gafanhoto". A importância da alimentação é de sublinhar. Entretanto, na Birmânia, os monges de um convento marcavam o início do dia pela altura em que a "luz era suficiente para distinguir as veias da mão".
Ainda me lembro, também, de ouvir a expressão: o tempo de rezar um Padre-Nosso. Numa parceria curiosa entre a religião e o tempo.

7 comentários:

  1. Respostas
    1. Também achei interessante.
      Boas férias de Páscoa!

      Eliminar
  2. A hora muda de sábado para domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.
      Lá nos vão roubar mais uma hora de vida...
      Bom fim-de-semana!

      Eliminar
  3. Que post tão interessante, APS!
    Uma Feliz Páscoa para si e HMJ!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostou, Sandra.
      A Páscoa por cá vai ser molhada, mas já há cabrito temperado...
      Retribuímos, cordialmente, os votos!

      Eliminar