sexta-feira, 20 de maio de 2016

O cerne do poema


Mais tarde ou mais cedo, uma, ou outra vez, há versos de um poema que vêm ter connosco.
Não falo do "Dai-me uma jovem mulher com a sua harpa de sombra/ e seu arbusto de sangue. Com ela...", dezenas (?) de vezes citado pelos leitores preguiçosos ou críticos rasteiros de Herberto Helder. Para não falar do "...quando a alma não é pequena..." pessoano, abastardado pelos turistas da Poesia, pelos políticos ciosos de serem importantes e fingirem de cultos, e até mesmo pelos basbaques que não sabem dizer nada de seu. Eu queria significar outra coisa. Referir esse encontro íntimo e autêntico que, às vezes, acontece entre nós e um ou mais versos de um poema, de forma, que parece, absolutamente exacto e nosso, na sensibilidade. Por uma iluminação do espaço, ou da experiência, que se torna comum e verdadeira.
O poema "Nocturno de Veneza"*, foi-me recomendado por Eugénio de Andrade, pouco antes de aparecer na Colóquio Letras. Assim diziam os versos:

Pergunto se não corre esta secreta
música de tanto olhar a água,
pergunto se não arde
de alegria ou mágoa
este florir do ser na noite aberta.

Na altura, gostei do poema, mas não muito mais do que tantas outras poesias do Poeta. Estava ainda muito longe de o vir a viver e sentir, verdadeiramente. Passaram entretanto quase cinquenta anos, foi preciso eu defrontar-me com as águas do Sado, no Outão, para integralmente eu perceber essa música de tanto olhar a água. E fazê-la minha por inteiro.

* o poema veio a ser incluído, depois, em Ostinato Rigore, com o título "Nocturno da Água".

Para JQ, no seu Indícios, registando e agradecendo as suas palavras.

6 comentários:

  1. :-) Andamos em sintonia...
    Por acaso, desde ontem, que um verso do Eugénio de Andrade anda a bailar na minha cabeça - não com o sentido original que ele lhe deu, mas porque faz sentido em algo que se passa comigo, numa relação presente/passado...
    Tenho saudades do Sado. Costumava ir à praia por lá.:-)
    Continuação de feliz estadia por aí.
    Boa noite! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes, também, há coisas que andam no ar...
      Por brincadeira, lembrei-me de "L'Air du Temps", da Nina Rici, que é um perfume feminino muito agradável.
      Mas, voltando ao cerne da questão, há um tempo para quase tudo. Fui tardio a perceber, por exemplo, a frase de Laurence: "My name is for my friends!". Hoje, entendo-a perfeitamente. Porque já a senti na pele.
      O mar, pela Arrábida, Galápos e Outão, estava lindíssimo, com águas transparentes... Não quero fazer-lhe inveja.
      Um bom fim-de-semana!

      Eliminar
  2. Gozem muito esse mar!! Por vós e por mim! :-)
    Em Brejos de Azeitão, há um restaurante que gosto muito. Chama-se "Casa do Janeiro". O peixe e o marisco costumavam ser muito bons/frescos, muito bem servidos e os preços acessíveis. Há 10 anos que não vou lá. Pergunto-me como estará agora...
    Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já acabou..:-(, e regressamos a penates...
      Creio que nunca comi por Azeitão, salvo as tortas.
      A minha referência, por aquelas bandas, era a "Quinta das Torres", mas agora está insuportável, cheio de "tias" a atender...
      Bom Sábado!

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Fico feliz, por isso..:-)
      Bom fim-de-semana!

      Eliminar