segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

De Emily Dickinson, um poema traduzido


Tão pouco que fazer
que tem a erva!
Simples, verde, e alongada:
única distracção, as borboletas
e por companhia apenas
alguma abelha
 que passa.



Emily Dickinson (1830-1886)

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Ainda bem..:-)
      Retribuo os votos, cordialmente!

      Eliminar
  2. Um nome maior do universo poético, que anda um pouco esquecido. Obrigado por partilhar este belo poema.
    Boa Tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qualidade e obra prolífica (embora postumamente editada, na sua quase totalidade), distinguem esta grande poetisa norte-americana, que Jorge de Sena deu a conhecer a Portugal, traduzindo-lhe 80 poemas, em 1978.
      Modestamente, e por aqui, lhe traduzi mais cerca de dezena e meia de poemas... Mas faço-o com gosto, o melhor que sei e posso.
      Boa tarde, também.

      Eliminar
  3. Finalmente descobri a razão de querer ser uma erva rasteira. Obrigada Emily.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma vocação estimável, porém, rara nos tempos que correm.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Na verdade, embora E. D. tenha muitos versos crípticos e de difícil interpretação, também.

      Eliminar