terça-feira, 29 de novembro de 2016

Lembrete 56


Publica-se desde 1929 e é uma espécie de almanaque dos pobres, informando sobre agricultura, astrologia, feriados, curiosidades, provérbios, fases da Lua...
Como já estava à venda, comprei-o mais por graça do que por utilidade, como fiz há 6 anos, dando também aqui notícia (11/10/2010). A sua longevidade na edição bem merece uma atenção da nossa parte, que o vemos aparecer pelo trimestre final de cada  ano.


12 comentários:

  1. Há dois anos comprei, como já fizera em alguns anos anteriores.
    Está na altura de retomar a tradição.
    Boa sugestão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aí, no Porto, creio que ainda se edita (Lello?) um concorrente mais antigo, com os mesmos propósitos: "O Seringador".
      Saudações cordiais!

      Eliminar
  2. Bom dia. Como vivo 'in situ', entre os pastos, plantações, burros de quatro patas, etc., aparece também aqui à venda o "Seringador", que prefiro. Pelo 'Comentário do Ano', com caráter afável, humorado, sinal da valorização da palavra, cor local e que nega assim a condição de veículo repetitivo. Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muito que não folheio nenhum, que julgo aparecer pouco cá por baixo. Mas a concorrência é sempre saudável...

      Eliminar
  3. Sabemos que a vida é bela,
    Mas c'uma seringadela
    Sempre fica bem melhor...

    Também fui sempre mais "Seringador", que já se publica há mais de 150 anos (!) e, além de útil, é um "reportório crítico-jocoso". Agora, vi que há uma coisa chamada "O Novo Seringador". Um spin-off? Um concorrente desleal? Uma dissidência? É que se anuncia também já com cento e trinta e tal anos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez uma chamada "contrafacção", pelo sucesso do original. Haveria que questionar a Lello que, em caso espúrio, deveria processar esta edição, para evitar embustes...

      Eliminar
    2. Estranhamento, são ambos editados pela Lello Editores...

      Eliminar
    3. Estranho - deve ser para secar a concorrência. Deve vender-se bem: o Borda d'Água (lisboeta) tem uma tiragem de 100.000 exemplares - é obra!...

      Eliminar
  4. Também já comprei, mas deixei de o fazer. Acho muita graça a esta publicação. Boa tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também só compro de longe a longe.
      Boa tarde!

      Eliminar
  5. Acho que no ano passado não comprei.
    De acordo com o provérbio escolhido para novembro, ainda temos um dia para plantar o cebolinho. :)
    Boa noite!

    ResponderEliminar