quinta-feira, 25 de maio de 2017

Não só, mas também


O lado mais popular, e efémero, da visita breve do papa Francisco a Fátima, fez esquecer e obscureceu alguns aspectos secundários que foram propiciados por essa visita, e cuja importância ainda se pode avaliar e fruir.
Falou-se pouco, ou quase nada, das obras de arte que acompanharam a visita pontifícia, vindas dos Museus do Vaticano, e que enobrecem, temporária mas grandemente, duas exposições de Lisboa, que ainda podem ser vistas. Uma, de que aqui já falámos, na galeria de exposições da Igreja de S. Roque, a propósito do pentacentenário do Compromisso da Misericórdia (1516); outra, no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), sob o título ou temática: Madonna.
Visitámos, hoje, esta última mostra. E se a surpresa de encontrar um pequeno Chagall inesperado, vindo dos Museus do Vaticano, me deslumbrou, não fiquei indiferente à cópia da Pietá de Miguel Ângelo, ou às pequenas tábuas de Rafael. E pude assim rever, também, o único Da Vinci, nas terras portuguesas, esse, vindo do Porto, da sua Faculdade de Belas-Artes, que muito raramente é exposto, por razões óbvias. E que, se calhar, muito pouca gente conhece...


8 comentários:

  1. Ainda não vi nenhuma, mas espero fazê-lo este fim de semana ou no próximo.
    Parabéns! Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E faz muito bem.
      Muito obrigado!
      Bom dia!

      Eliminar
  2. Tenho de ir ver! Obrigada pela partilha. Bom dia!

    ResponderEliminar
  3. Também espero ir vê-las em breve. Mas ainda bem que mas relembrou.

    ResponderEliminar
  4. ...se for ainda a tempo de fruir da prendinha que o senhor papa nos deixou.

    ResponderEliminar