domingo, 23 de outubro de 2016

Filatelia CXVI


Coleccionar pode ser uma actividade mais ou menos passiva de juntar itens ou pode ser acrescida do estudo e investigação desses objectos coleccionados. Os prelúdios ou períodos iniciais de uma actividade rodeiam-se, também, de maior interesse pelos desconhecimentos que, muitas vezes, lhe estão associados. Daí que o período clássico da filatelia (grosso modo, até 1900) mereça e tenha tido estudos de maior profundidade por parte dos coleccionadores. Portugal não escapa nem ao interesse nem à regra.
Em 2007, encontrei à venda, na E-bay, o lote acima em imagem, composto por selos clássicos portugueses, aparentemente em bom estado. O penúltimo selo (do lado direito) da última fila apresentava, no entanto, um carimbo intrigante.
Destes carimbos circulares de pontos, que tiveram curso entre 1853 e 1869, são conhecidos apenas os de Lisboa (1), 7 (Alhandra), 52 (Porto) e 74 (Santo Tirso). O carimbo 12, que corresponderia a Azambuja, não se encontrava registado em nenhum catálogo na minha posse, nem nunca tinha ouvido falar dele.
Licitei, por isso, o lote em que se encontrava este selo de D. Luís (emissão de 1862-64), de 100 réis, lilás, (nº 18, nos catálogos de Portugal) com o insólito carimbo 12. E o lote foi-me atribuído - não foi caro, sequer.
Depois de muita consulta e investigação por livros e artigos da especialidade, consegui chegar a uma hipótese de explicação através de Selos Clássicos de Relevo de Portugal (1983), de Armando Mário O. Vieira (pg. 356). O selo de D. Luís, com o carimbo 12, tratar-se-ia de uma reimpressão de 1928, com carimbo falsificado.
Uma pergunta, no entanto, ficou-me a pairar no ar: que pretenderia o falsificador? Se tivermos em linha de conta que a reimpressão de 1928 é a mais rara e mais cara (230 euros, valor de catálogo), enquanto um exemplar usado do selo de 100 réis valerá apenas 165 euros, pelo catálogo em vigor. Mistérios!?...

4 comentários:

  1. Como diz um diz um amigo comum, há uma diferença entre colecionador e ajuntador. :)
    Eu, na minha juventude, fui uma ajuntadora de selos, de que ficaram uns álbuns. Nessa época era mais fácil ser ajuntadora ou colecionadora porque escrevia-se mais e as cartas vinham seladas.
    Bom domingo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O período clássico é um mundo! De interesse e de descoberta, mas levam-se muitos anos até descobrir isso. Coleccionar o moderno, não vale mesmo a pena. Além de acabar por ser mais caro.
      Boa tarde de Domingo!

      Eliminar
  2. E o mistério continuará ?
    Infelizmente, não sei explicar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, embora haja hipóteses de explicação.
      Até determinada altura da filatelia, puristas havia que só consideravam meritório coleccionar selos usados (hipótese provável, por exemplo, para carimbar a reimpressão).

      Eliminar