sábado, 24 de junho de 2017

Do que fui lendo por aí... (9)


Da leitura, já feita, de As Artes do Sentido (Relógio D'Água, 2017), de George Steiner (1929), gostaria de destacar dois excertos:

Com exceções arcádicas (uma colocação num instituto; a obtenção do estatuto de celebridade nos media; a capacidade invejável de transformar conhecimento genuíno em livros didático-utilitários), o académico e o professor das Letras foram economicamente marginalizados. A captação de financiamento privado e público para a investigação pura, para a dimensão experimental na literatura, na música, no teatro e para publicações de qualidade que apelam a uma minoria, é hoje quase frenética. É duvidoso que a censura política ou a ameaça da supressão tenham sido tão nocivas e humilhantes para a vida do espírito na academia humanística como o é a tirania da candidatura a bolsas (no que toca ao tempo desperdiçado, à intencionalidade mascarada ou rebaixada). As humanidades mendigam, ao passo que, até aos recentes sobressaltos financeiros, as ciências naturais e sociais exigem. (pgs. 104/5)
...
As pseudoteologias e teofanias poderão desenvolver a virulência contagiosa da decadência. Muito possivelmente, e de certo modo em analogia com a chamada Idade das Trevas, grupos de homens e de mulheres, enlouquecidos pela erosão da privacidade, pela aniquilação sistemática do silêncio e do espaço para o pensamento que hoje nos persegue, poderão voltar-se para as quase esquecidas artes de leitura séria, de compromisso com a memória individual, de crítica inquirição colaborativa, que constituem os meios essenciais das litterae humaniores. Palavras de viva voz, palavras do coração poderão reverberar através das intimidades da redescoberta. Poder-se-á mesmo argumentar que as ciências, que hoje se encontram tão esmagadoramente em ascensão em termos intelectuais e empíricos, poderão implodir, em alguns aspectos, sobrecarregadas, paralisadas pela própria massa de informação que produzem, pela aceleração da especialização. Esta massa, esta multiplicação imparável de ramos e códigos especializados, torna já cada vez mais precárias a comunicação e a compreensão mútuas no seio de qualquer ciência ou família de ciências. Ninguém está hoje totalmente seguro de que o centro se aguente, de que sequer exista um centro. (pg. 123)

Sem comentários:

Enviar um comentário