domingo, 4 de setembro de 2016

Ter ou não ter jeito


Quantos de nós, atraídos pela magia do preto e branco das teclas, nos sentámos, ao menos uma vez na vida, frente a um piano na efémera expectativa de lhe arrancarmos uma melodia?
Mas há coisas fatais: ou se tem vocação e queda, ou será inútil. Sempre fui desajeitado com instrumentos musicais e até a simplória e rudimentar gaita de beiços de infância, que aparece na imagem (à direita), nunca lhe dei bom préstimo. Ainda me compraram uma Hohner, mais sofisticada, mas o problema não era do instrumento, mas do instrumentista...



Também, mas de meu Pai, herdei uns maciços e bons antigos patins de ferro, pesadíssimos. Dois ou três dos meus melhores amigos de infância aprenderam a andar por eles, na garagem de minha casa. Eu bem tentei, mas depois de algumas quedas aparatosas, honestamente, desisti. Porque não vale a pena tentarmos torcer o destino: ou temos jeito, ou não. O mesmo pode também acontecer com os poetas. Mas anda por aí muito enganado, a pensar que trina ou canta... E continua. Gabo-lhes a cegueira ou a prosápia!...


6 comentários:

  1. Ah!Ah!Ah! Lá isso é verdade!

    Na música, tenho uma grande frustração: um péssimo ouvido!
    Adoro cantar. Várias vezes, alguns professores de música me elogiaram a voz (que hoje, à força de tanto falar alto - muitas vezes ralhar - na sala de aula, está diferente), mas tenho falta de ouvido e deturpo as músicas todas! Não há nada a fazer! Tenho pena. Portanto, também nunca tive jeito para tocar qualquer instrumento musical, e gostava de ter aprendido.

    Cada um é para o que nasce!

    Um bom domingo:)

    (As fotografias são suas? Ainda tem esses brinquedos? Que giro!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como diz o bom senso popular: "Quem te manda a ti, sapateiro, tocar rabecão?", mas há sempre quem insista, provavelmente, por falta de sentido crítico ou de proporções.
      A primeira foto é de HMJ, que a tirou para a rubrica "O Baú de Brinquedos" (creio que teve 15 postes), aqui no Arpose, donde consta uma boa parte dos nossos brinquedos sobreviventes.
      Um resto bom de tarde, Isabel!

      Eliminar
  2. Eu tive aulas de órgão e toquei muitos anos mas, deixei de ter um teclado e nunca mais toquei. Dizem que tinha jeito, mantenho o bom ouvido e sou uma consumidora de música difícil de enganar...

    Que objectos lindos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não devia ter abandonado, foi pena. Porque a vocação é um dom raro. Eu acho-me bastante rombo de ouvido, infelizmente...

      Eliminar
  3. Estive a ver os post da rubrica "O Baú dos Brinquedos" todos! São giros, giros!

    Contei 16, incluindo um que conta a história de uma fotografia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alguns são realmente bem bonitos.
      Espero que não tenha dado o seu tempo por perdido..:-)

      Eliminar