quarta-feira, 6 de junho de 2018

Retratos (19)


Em relação a reuniões de confraternização, com almoços ou jantares sequentes, as opiniões dividem-se, normalmente. Há quem os considere uma chatice, outros, não faltam a nenhum. Quanto a mim, se tenho garantido um pequeno grupo de próximos ou amigos, não me importo de os frequentar. No último, dava por adquirido que o serviço e o amesendar seriam de qualidade. Como foram; só de entradas, a preceito, vieram papas de sarrabulho, salgados miniatura, salada de polvo, pequenos pratinhos de rojões, mexilhões, moelas, eu sei lá... A nossa mesa, em presenças humanas, também se me fez a contento das minhas expectativas.
Algumas surpresas me esperavam, pela positiva: uma familiar que já não via há quase 40 anos, o Nanu com o cabelo totalmente branco, mas que conservava os traços de rosto juvenis, a Carviçais que eu não reconheci, porque perdera a beleza gentil que lhe era própria. E o Fernando G. A., que conservara a sua bela voz de soprano. Mas que se tornara, à força de querer ter graça constantemente, numa pobre caricatura de si próprio. Mantinha o nariz adunco de Cyrano, ainda devia cantar e tocar bem o fado coimbrão, mas adornara-se, para a festança, com um chapéu exótico e garrido, e uma écharpe. A pose era excessiva.
Depois, finalizava os seus ditos com longas gargalhadas, o palavrão sublinhava todas as suas histórias e os gestos teatrais exagerados, tornavam quase deprimente acompanhá-lo. Além disso, a hipocondria dominava, crescente, com a idade. E o cabelo longo, mas muito ralo, acentuava-lhe a decadência geral. Teria preferido não o ter reencontrado... pelo desfazer da imagem que fora.
Daí que compreenda totalmente aqueles que evitam este tipo de romagens de saudade a uma juventude perdida.

6 comentários:

  1. Se eu passa-se neste sítio tão bonito, havia de tocar este
    musgo tão verdinho. Estes encontros podem ser um prazer mas
    também alguma desilusão por já não encontrarmos as pessoas
    que estão totalmente diferentes na nossa memória. De qualquer
    modo parece-me ser sempre bom manter algum convívio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se um dia for a Guimarães, Maria, tente dar uma saltada à (montanha da) Penha, para onde há teleférico. É uma paisagem surpreendente, sobretudo na Primavera. Os penedos (muitos) estavam cobertos de um musgo, que parecia veludo, de macio.
      Quando decido ir, e mo lembram, trago quase sempre memórias gratas.

      Eliminar
  2. Se eu fosse o Fernando ou a Carviçais...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estas coisas ou se dizem, ou ficam a remoer, se não as confessarmos. Eu prefiro dizê-las...

      Eliminar