terça-feira, 17 de abril de 2018

Glosa 12


Diz, quem sabe, que as árvores fixam a terra e consolidam os terrenos.
Os livros dão vida e eternizam a língua, dando-lhe a existência material que a oralidade não consegue, inteiramente. Daí a importância de Chaucer ou de Fernão Lopes.
Só depois poderemos amar e respeitar a sua pureza, perservando-a, ou, volúveis, a podemos abastardar, enxameando-a de ervas daninhas, estranhas e alheias.

9 comentários:

  1. Gostei muitíssimo desta ideia de comparar os livros às árvores. Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, Margarida.
      Um bom dia, também.

      Eliminar
  2. É uma bela ideia.
    Gostei imenso da árvore da fotografia.

    Um bom dia:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mérito da foto é todo de HMJ..:-)
      Obrigado, pela minha parte.
      Retribuo, com estima.

      Eliminar
  3. Se tivesse de pôr uma legenda na fotografia,
    seria "o abraço".
    Os livros, as árvores e a música, são muito importantes
    para as nossas vidas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um título inteiramente apropriado, que aprovo..:-)
      Como também concordo com a sua última afirmação.

      Eliminar
  4. Como dizia um poeta, a palavra falada é um fenómeno social, a escrita um fenómeno cultural; a palavra falada um fenómeno democrático, a escrita um aristocrático.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apoio 75%. O lado aristocrático da escrita, a existir, só por acidente ou por sobranceria intelectual do agente - na minha opinião.

      Eliminar
  5. ... e na minha também, valha a verdade.

    ResponderEliminar