domingo, 2 de janeiro de 2022

Um pequeno Álbum de Família



Matilde (2000)

Por ti começa a esperança de mais longe
pudesse ser a vida. Noutra forma
seja de amor que veio adolescendo
seja da parte que faço de tu seres. 

Rita (2008)

Que sombra de pensar-te ainda em nome
tão sem saber o tudo que transportas
e tanto de carinho, que esse sim
nem nomeá-lo sei de tão intenso.

Carolina (2010)

Tão leve passa, brisa, coruscando
os negros olhos a sedução inata
no elegante passar, sabendo bem
se rendem ao encanto sendo inato.

Tiago (2012)

Que novelo de sol e de ternura
irrompe pelo dia um sorriso quente
poucas palavras, ainda, neste tempo
os olhos a falar quanto não diz.


António de Almeida Mattos (26/7/1944--2/1/2020).


Nota: inéditos e não datados, estes 4 pequenos poemas do Poeta, são um legado imaterial e afectuoso aos 4 netos.

10 comentários: